Fortes chuvas atingiram o litoral do Paraná e bairros de Curitiba nesta segunda-feira (12). De acordo com a Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi), vinculada à Defesa Civil, duas casas foram interditadas parcialmente na capital. Nas praias, ruas ficaram alagadas com o grande volume de chuva. Assista ao vídeo acima. O meteorologista do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), Paulo Barbieri, informou que nesta segunda-feira o volume de chuva foi de 35 mm em Antonina e Guaratuba, e de 17 mm em Paranaguá. O volume não é muito grande, segundo Barbieri, mas pode trazer riscos de deslizamentos de terra ao se considerar o acumulado do mês. Em fevereiro, Antonina registrou 59 mm de chuva, Guaratuba teve 65 mm e Paranaguá 102 mm. O volume, de acordo com o Simepar, corresponde a um terço da média de chuva para o período. Segundo a Cosedi, em Curitiba, um muro desabou e causou a interdição de um imóvel no bairro Capão Raso.

Mulheres de Curitiba e Região Metropolitana organizam ato de 8 de março Ato deste ano terá como tema “mais direitos, nenhum retrocesso. Resistência e luta feminista” Em 2017, ato reuniu 5 mil mulheres em Curitiba. Outros 14 municípios do Paraná também tiveram manifestações / Mídia Ninja Mulheres estão participando de reuniões semanais para organizar o ato do dia internacional das mulheres, em 8 de março. Definido na última quinta-feira (8), o mote da marcha deste ano será "Mais direitos, nenhum retrocesso. Resistência e luta feminista!”.  Reuniões acontecerão até março e a próxima está marcada para quinta-feira (15), às 18h30, no auditório do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais Curitiba (Sismuc). As organizadoras ressaltam que todas as mulheres estão convidadas a participar, mesmo se não tiver comparecido aos encontros anteriores.  O ato no dia 8 de março começará a partir das 16h30, com previsão de seguir até às 21h, na praça Dezenove de Novembro, no Centro da capital.  Em 2017, aconteceram protestos em 15 municípios do Paraná e a principal pauta foi contra a retirada de diretos sociais proposta pelo governo Temer. Em Curitiba, a marcha reuniu cinco mil pessoas entoando juntas o coro “aposentadoria fica, Temer sai”. Mulheres do mundo inteiro foram às ruas protestar por seus direitos no evento que ficou conhecido como 8M. No Brasil, o dia histórico foi marcado por dois principais motes: a Greve Internacional das Mulheres e, no cenário nacional, a luta contra a reforma da Previdência.

A unidade é uma das poucas que não entrou no sistema de rodízio programdo pela prefeitura para evitar o desperdício das doses. Por isso, precisou estabelecer distribuição de senhas para dar conta da demanda. Veja também: Saiba quem e até quando é possível pedir a isenção da taxa de lixo em Curitiba Com viagem marcada para Santos, no Litoral de São Paulo, a funcionária pública Celma Gonçalves, de 45 anos, chegou a desistir de esperar na fila no primeiro dia em que foi à unidade na busca pelo imunizante, há duas semanas. “A primeira vez que vim aqui tinha muita gente. Era fila e mais fila, uma loucura”, comentou. Apertada pelo prazo do efeito do imunizante – que só começa a ter efeito dez dias depois da aplicação - ela voltou à unidade sexta-feira passada (2) e encontrou um cenário bem mais tranquilo. “Acho que agora o medo das pessoas está passando porque foi tudo muito rápido aqui hoje”, disse. O diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Alcides Oliveira, afirma que considera natural a grande quantidade de procura pela vacina, mesmo Curitiba não estando em área de risco, e descartou a possibilidade de um novo esquema de distribuição das doses. “A gente estava prevendo esse aumento e consideramos a procura normal diante do surto, mesmo não tendo casos aqui. Também teve muita gente buscando por causa do carnaval, naquela questão dos dez dias antes da viagem.

curitiba